sexta-feira, 10 de julho de 2015

A verdade sobre os Esteróides Anabolizantes (Bomba)


A verdade nua e crua num depoimento chocante e sincero!


O segundo vídeo conta toda a desgraça que aconteceu devido ao uso de anabolizantes:

domingo, 9 de novembro de 2014

Suplementos Que Ninguém Toma

DHEA



DHEA e Longevidade
Sobre a mortalidade, em geral, num extenso trabalho realizado durante 12 anos pela Dra Elizabeth Barret Conner na Universidade da California, com 240 homens, com idades variando de 50 a 79 anos (New England Journal of Medicine, 315:1519-24), demonstrou-se uma nítida relação entre baixos níveis de DHEA e motalidade aumentada. Outro interessante estudo realizado com ratos, aos quais se administrou DMBA (uma potente substância indutora de câncer de mama), demonstrou que 95% dos ratos que não receberam DHEA desenvolveram câncer, enquanto apenas 27% dos ratos com suplementação de DHEA desenvolveram o tumor neoplásico (Dermival Pansera).

O declínio de DHEA
À medida que envelhecemos a produção de cortisol pela supra-renal aumenta e, inversamente, a DHEA, a Melatonina e o Hormônio do Crescimento (HGH) declinam diminuem.

 dhea 2
Durante os primeiros cinco anos de vida as adrenais produzem muito pouca DHEA. Por volta dos 6 ou 7 anos de idade começamos a presenciar uma elevação dos níveis deste hormônio, de forma que aos 20 anos é o hormônio mais abundante no sangue em circulação.
Por volta dos 30-40 anos começa a ocorrer uma queda nos níveis deste hormônio e por volta dos 70 anos temos apenas 25% ou menos, da quantidade que tínhamos aos 20 anos.



NÍVEIS SANGUÍNEOS DE SULFATO DE DHEA ENCONTRADOS NA POPULAÇÃO em mcg/dl
IDADE
MULHERES
HOMENS
crianças<12 anos
30 a 254
30 a 254
12 a 29
65 a 380
280 a 640
30 a 39
45 a 270
120 a 520
40 a 49
32 a 240
95 a 530
50 a 59
26 a 200
70 a 310
60 a 69
10 a 130
42 a 290
70 a 19
10 a 90
28 a 175


Possíveis Efeitos Terapêuticos
Memória
Ainda são contraditórios os resultados científicos sobre as influências da DHEA sobre a melhora da memória ou sobre a prevenção do declínio cognitivo. Alguns autores mostram resultados promissores (Markowski 2001; Mathis, 1999), enquanto outros afirmam nulidade ou resultados nada expressivos (Moffat, 2000; Almeida, 2001; Carlson, 1999; Huppert, 2000).

Imunidade
As primeiras pesquisas relacionando os níveis de DHEA foram feitas em pacientes com doenças crônicas, AIDS, sífilis congênita e queimados. Também os pacientes sob cuidados intensivos mostraram baixos níveis desse precursor hormonal, com uma redução significante da relação DHEA/cortisol. As pesquisas nessa área têm sido mais concordantes entre vários autores.

Uma boa parte dos trabalhos conclui que nas doenças graves os níveis de cortisol sobem às custas de outros esteróides, inclusive DHEA. A ação imunoestimulante da DHEA pode ser motivada por bloqueio dos corticóides ou por modulação da síntese das chamadas linfocinas (Morfin, 2000; Christeff, 2000; Clerici, 2000; Padgett, 2000; Cutolo, 2000).

Obesidade
Alguns autores têm pesquisado as relações da DHEA com a obesidade, notadamente com a obesidade que o envelhecimento predispõe. Alguns estudos realizados com camundongos (Richards, 1999), onde foi verificado que a DHEA evitou o desenvolvimento da obesidade. Também em idosos humanos procurou-se estabelecer as relaçõesDHEA/obesidade com resultados muito promissores (Jankowska, 2000).

DHEA parece ser um agente estimulante da termogênese (geração de calor), fazendo com que o corpo gaste mais energia mobilizando assim as gorduras, ao mesmo tempo em que aumentaria a massa muscular. Também a enzima G6PD, formadora de grande quantidade de radicais livres, é inibida pela DHEA, a qual, atuando como verdadeiro anti-radical livre, protege a integridade celular.

Sistema nervoso
Há anos a DHEA vem sendo relacionada com a melhora da inteligência, cognição e sensibilidade. Os resultados ainda são acanhados, contraditórios mas, não obstante, algo esperançosos.

Os presumíveis efeitos antidemenciais ou antienvelhecimento da DHEA ganharam destaque através do livro de Eugene Roberts, Smart Drugs e Nutrients. O termo Smart Drugs ganhou espaço na mídia, mais que nos meios científicos, a partir de linhas de pesquisa estabelecidas nas universidades americanas de Nova Iorque e da Califórnia, onde vários pesquisadores iniciaram estudos sobre como melhorar o desempenho da mente humana. As drogas ou substâncias capazes de melhorar aspectos do desempenho mental, seja na memória, entendimento, concentração, vigília, etc, foram apelidadas Smart Drugs ou, em português, Drogas da Esperteza (Dermival Pansera).

Embora alguns estudos mostrem uma relação significativa entre Doença de Alzheimer e baixas concentrações da DHEA (Murialdo, 2000), ainda faltam pesquisas suficientes para recomendar o tratamento com DHEA para a melhoria no estado de ânimo, para o incremento da inteligência ou da cognição, como querem crer alguns pesquisadores mais intrépidos.

Envelhecimento
O cortisol aumentado induz (ou acompanha?) ao envelhecimento cerebral, o declínio imunológico, etc. Esta diminuição pode ser, juntamente com outros fatores, responsável por algumas características da terceira idade, tais como diminuição da capacidade cognitiva e da imunidade.
É tão estreita a relação baixa de DHEA/envelhecimento, que este esteróide tem sido utilizado como marcador biológico do envelhecimento, pois níveis baixos são equivalentes a um grau mais avançado de aterosclerose, maior incidência de doença cardiovascular, de tumores malignos, resistência à insulina com propensão a diabetes, declínios cognitivos, doença degenerativa cerebral.

Também foram encontrados níveis baixos de DHEA em pacientes com osteoporose, com tumores de mama e em 11 de 13 pacientes com leucemia (Demeter, 1991).

Há uma tendência moderna em crer-se que sua aplicação terapêutica tornaria possível uma menor e mais lenta evolução desses processos degenerativos. Com a reposição hormonal, muitos desses sintomas tenderiam a se retardar.

Precauções e Cuidados
A utilização do DHEA como droga "Anti-envelhecimento" deve ser feita sob estrita observação médica. Nos homens, o DHEA é responsável pelo aumento da testosterona que irá se transformar em Dihidrotestosterona, substância que induz ao crescimento das células prostáticas, tanto as normais quanto as tumorais.

Sendo assim, seu uso é terminantemente contra indicado nas hipertrofias prostáticas severas e no câncer de próstata. É por isso que, para o uso da DHEA, os homens têm que se submeter a um exame da próstata, incluindo a dosagem sanguínea do PSA. É indicado para homens, acima dos 40 anos, o uso concomitante de substâncias inibidoras da "5 alfa redutase" para diminuir a conversão da Testosterona em Dihidrotestosterona.
As mulheres medicadas com DHEA devem se submeter a um exame ginecológico para avaliar o estado das mamas e, se estiverem fazendo uso de reposição hormonal estrogênica, a utilização concomitante com o DHEA deve seguir um controle mais rígido para o ajuste da dose de ambos os hormônios, tendo em vista que o DHEA irá se transformar, em parte, em estrogênio.

Está contra indicado o uso do DHEA na displasia mamária severa e nos casos de câncer de mama.

Indicações
DHEA tem sido indicado nos distúrbios da cognição em geral, na perda de concentração, desinteresse sexual e baixa imunidade. Algumas clínicas geriátricas recomendam esse esteróide na osteoporose, exatamente por ser ele um precursor androgênico e estrogênico.
Atualmente os casos de Fadiga Crônica, a par dos outros fatores envolvidos nessa síndrome, tal como as alergias alimentares, candidíase sistêmica, etc, a DHEA propicia melhorias no quadro patológico.

Para a Doença de Alzheimer, a DHEA demonstrou ser capaz de proteger os neurônios e de aumentar a sua capacidade de estabelecer contato (axônios). Embora esses efeitos tenham sido observados in vitro, muitos pesquisadores estão utilizando este esteróide para evitar a progressão da doença.

Doses
Variam de acordo com a via de administração escolhida:
Uso oral : Cápsulas orais - com 50 a 250 mg por cápsula. Posologia: 1 cápsula duas vezes ao dia.
Uso sublingual: Cápsulas sublinguais com 25 a 100 mg por cápsula . Posologia: 1 cápsula duas vezes ao dia.



para referir:
Ballone GJ, Moura EC - DHEA - in. PsiqWeb, Internet, disponível em www.psiqweb.med.br, revisto em 2005.




REFERÊNCIAS

7 alpha-hydroxy-dehydroepiandrosterone and immune response, Ann N Y Acad Sci. 2000;917:971-82.

Almeida OP, Barclay L. Related Articles - Sex hormones and their impact on dementia and depression: a clinical perspective, Expert Opin Pharmacother. 2001 Apr;2(4):527-35.

Carlson LE, Sherwin BB. Related Articles - Relationships among cortisol (CRT), dehydroepiandrosterone-sulfate (DHEAS), and memory in a longitudinal study of healthy elderly men and women, Neurobiol Aging. 1999 May-Jun;20(3):315-24.

Christeff N, Nunez EA, Gougeon ML. Related Articles - Changes in cortisol/DHEA ratio in HIV-infected men are related to immunological and metabolic perturbations leading to malnutrition and lipodystrophy, Ann N Y Acad Sci. 2000;917:962-70.

Clerici M, Galli M, Bosis S, Gervasoni C, Moroni M, Norbiato G. Related Articles - Immunoendocrinologic abnormalities in human immunodeficiency virus infection, Ann N Y Acad Sci. 2000;917:956-61.

Cutolo M, Villaggio B, Foppiani L, Briata M, Sulli A, Pizzorni C, Faelli F, Prete C, Felli L, Seriolo B, Giusti M. - The hypothalamic-pituitary-adrenal and gonadal axes in rheumatoid arthritis, Ann N Y Acad Sci. 2000;917:835-43.

Demeter J, Feher T. - Serum dehydroepiandrosterone sulphate (DHEAS) and dehydroepiandrosterone (DHEA) levels in hairy-cell leukaemia, Eur J Haematol. 1991 Oct;47(4):313-5.

Huppert FA, Van Niekerk JK, Herbert J. Related Articles - Dehydroepiandrosterone (DHEA) supplementation for cognition and well-being, Cochrane Database Syst Rev. 2000;(2):CD000304.

Jankowska EA, Rogucka E, Medras M, Welon Z. Related Articles - Relationships between age-related changes of sex steroids, obesity and body fat distribution among healthy Polish males,

Markowski M, Ungeheuer M, Bitran D, Locurto C. Related Articles - Memory-enhancing effects ofDHEAS in aged mice on a win-shift water escape task, Physiol Behav. 2001 Mar;72(4):521-5.

Mathis C, Meziane H, Ungerer A. Related Articles - Models for the study of memory and neurosteroids, J Soc Biol. 1999;193(3):299-306.

Med Sci Monit. 2000 Nov-Dec;6(6):1159-64.

Moffat SD, Zonderman AB, Harman SM, Blackman MR, Kawas C, Resnick SM. - The relationship between longitudinal declines in dehydroepiandrosterone sulfate concentrations and cognitive performance in older men, Arch Intern Med. 2000 Jul 24;160(14):2193-8.

Morfin R, Lafaye P, Cotillon AC, Nato F, Chmielewski V, Pompon D. Related Articles

Murialdo G, Nobili F, Rollero A, Gianelli MV, Copello F, Rodriguez G, Polleri A. Related Articles Hippocampal perfusion and pituitary-adrenal axis in Alzheimer s disease, Neuropsychobiology. 2000;42(2):51-7.

Padgett DA, Loria RM, Sheridan JF. Related Articles - Steroid hormone regulation of antiviral immunity, Ann N Y Acad Sci. 2000;917:935-43.

Richards RJ, Porter JR, Svec F. Related Articles - Long-term oral administration of dehydroepiandrosterone has different effects on energy intake of young lean and obese male Zucker rats when compared to controls of similar metabolic body size, Diabetes Obes Metab. 1999 Jul;1(4):233-9.

Fonte: http://www.psiqweb.med.br/site/?area=NO/LerNoticia&idNoticia=208

segunda-feira, 7 de julho de 2014

O segredo da Juju Salimeni 2


Nesta entrevista, a famosa admite que fez uso de Anabolizantes.

O segredo da JUJU Salimeni

Achei essa entrevista e resolvi postar no blog porque creio que essa Juju seja ai uma inspiração pra muitas mulheres hoje em dia que adoram ver TV. Pra ser sincero eu não vejo o panico, mas sem duvida as assistentes de palco são lindas! Então segue a entrevista feita por uma moça que mantem um blog só sobre a Juju.

Oi Jú,
Gostaria de agradecer a oportunidade que está dando aos seus fãs de saberem mais sobre você! A galera ficou desesperada quando falei pra me mandarem perguntas, chegaram pra mim, 41 perguntas, mas claro que não vou fazer isso com você rsrs!
Vamos as perguntas:
1- Você faz período de ON/OFF? Como você faz para ganhar massa e não ganhar nada de barriga junto?
Juliana: Não, nunca faço. ON seria para secar e definir mas eu não gosto de emagrecer então estou sempre fazendo dieta e treino para
hipertrofia, sempre pra manter ou até aumentar massa magra. Na verdade ganhei barriga sim ao longo dos anos e então fiz hidrolipo pra tirar pq não
adianta: não tem como ganhar massa sem ganhar barriga. Mas fazendo abdominais dá pra secar um pouquinho ! Se comer certo a barriga não vai acumular gordura, só se vc estiver comendo errado !
2- Quais os cuidados com o cabelo? Shampoo, creme… tratamento…
Juliana: Uso shampoo e condicionador sem sal pra cabelos secos pois o loiro resseca muito. Faço muita hidratação, queratina mas mesmo assim fica um pouco sequinho. Quase não escovo os cabelos para não quebrar, só escovo quando termino de lavar e depois não mais e quando escovo faço sempre nas pontas primeiro e vou subindo bem devagar pois escovar com força e começando pela raiz acaba com o cabelo !
3- De quanto em quanto tempo você muda o treino?
Juliana: Estou mudando toda semana, não tenho um treino fixo pois meu corpo já está numa fase que nada funciona mais ! Ele precisa de muito estímulo pra
ter resultado, já acostumou com tudo…
4- Você já falou de clínicas de estética, quais tratamentos você faz pro corpo? (celulites, estrias e tals).
Juliana: Já fiz carboxiterapia pras estrias, foi muito bom. Pra celulite é só treino e alimentação mesmo, nenhum tratamento estético funciona, é ilusão ! Mas pode complementar com radiofrequência e vácuo.
5- Você faz aeróbico?
Juliana: De vez em quando se me sentir inchada, uns 20 min de esteira ou transport
6- Qual seu manequim? (calça, blusa…)
Juliana: Calça 40, 42 (na verdade nunca uso calça pq odeio, me aperta e não encontro pro meu tamanho, então estou sempre de shorts e saia)
blusa P
sapato 36
7- Quantos mls têm seu silicone?
Juliana: 330 ml
8- Quais são suas medidas? Quadril, coxa, cintura, abdômen, braços, e tudo mais, aposto que todas as meninas vão querer alcançar esse números. (sabemos que você não mede há muito tempo… mas faz isso pra gente? rsrs)
Juliana: Putz! Acho que devo estar com 63cm de coxa, 70cm de cintura, 93cm de busto, 102cm de quadril, 31cm de braço.
9- Você está sempre viajando a trabalho, como você consegue manter sua alimentação nas viagens? E quando você está no meio de um evento e dá o seu horário de comer, o que você faz?
Juliana: Ando pra qualquer lugar com uma bolsa térmica onde levo toda a minha dieta. Se eu for para algum evento me alimento antes e depois. Em gravações tb, levo tudo e como certinho.
10- Qual a carga que você pega nos seguintes aparelhos: leg press, agachamento livre ou guiado, banco extensor, 4 apoios, flexor e hack ?
Juliana: Leg press – 380 kg
Agachamento – 100 kg
Extensora- 45 kg
Flexora- 35 kg
Hack – 100 kg

quinta-feira, 8 de maio de 2014

A grande verdade sobre os anabolizantes



Muitas pessoas buscam o corpo dos sonhos, uns sem ajuda e outros com ajuda. Mas a ajuda a que me refiro não é do professor ou treinador, e sim dos esteróides anabolizantes (EA).
Não preciso dizer o que são pois tudo mundo já está careca de saber, a questão é quem usa, e como funciona.
Primeiramente quem usa: alguns atores famosos, alguns atletas de todas as modalidades e algumas pessoas comuns. 
Segundo como funciona: pense no EA como um turbo em um carro; enquanto você estiver com o turbo instalado, vai ter um baita desempenho. Exemplo: se com um carro original você corria no máximo a 160Km/h , com o turbo você vai chegar aos 200 Km/h fácil, ou até mais. Se você mantiver o turbo instalado por muitos anos, seu carro vai estragar logo, pois está forçando a ter um desempenho que ele nunca teria, ou seja, sua vida útil será menor. Se você usar um tempo e depois retirar, você vai diminuir sim um pouco a vida útil, mas se for pouco tempo será imperceptível. 
A partir do momento em que você retira o turbo, você nunca mais atingirá 200Km/h ou mais no seu carro. Voltará a atingir somente os 160Km/h.
Os EA funcionam da mesmíssima forma. Não tem milagre nem fonte da juventude: enquanto estiver usando terá um desempenho acelerado e maximizado. Se usar muito tempo, alguma coisa vai "quebrar" em você. 
Voltando à primeira questão: que usa? Quem vive da imagem! Quem usa sabe dessa história toda, um fisiculturista como Arnold fez uso sim e parou quando lhe convinha. Atores também: não venha me falar que um cara faz uma preparação de 3 meses e fica fortão pra ser um super herói porque é mentira! Três meses ficar bombado? Só com EA mesmo! e muito treino lógico!
As revistas e as mídias vivem de propaganda, e querem empurrar um monte de suplementos para você, com a ilusão de que vai ficar como os caras da foto. Nunca! Não existe essa de natural. Sem EA você vai ficar forte sim, mas nunca igual às fotos das revistas. Não estou mandando ninguém tomar EA. Cada um sabe da verdade agora e cada um seja responsável por si mesmo.
Meu intuito aqui é somente mostrar a verdade pois nenhuma gostosona da TV vai admitir que usou, nenhum ator bombado vai admitir que usou e nenhum atleta vai admitir que usou, salvo se der merda: aí eles vão à mídia falar que deu merda e tal...

EA além de deixar monstro, deixa sem gordura abdominal também (ajuda a diminuir). Os riscos são grandes e quem usa sabe. Não se iluda com imagens! E assuma suas responsabilidades. Não venha falar que eu recomendo o uso porque eu abomino o uso. 


Att,

Érico



Aprenda a ganhar dinheiro só clicando em anúncios. Como?

Clique AQUI!!!